sábado, agosto 26, 2006

Me Arrasto em Correntes

Nem o ar que respiro
Vale mais que tua presença,
E os segundos que passo em tua ausência,
São, agora, os carrascos
Que me matam aos poucos,
Sufocado, com a vida distante de mim!

Busco forças na imagem
De teu rosto, em minha memória!
Sobrevivo às últimas,
No esforço extremo
De seguir sem respirar teu perfume!

As horas passam!
A distância aumenta!

Me arrasto em correntes,
Da dor de não te poder beijar!


Jorge Alberto Neves*
02/04/2006 - 16:26:58


*obra protegida por copyright

12 comentários:

Cleide Palhano disse...

Que dom maravilhoso amigo, fico mto feliz por está em seu cantinho especial...e agora sempre estarei por aqui rsrs
Parabéns mesmo!!! suas poesias é prova viva da pessoa q és, em família, e amigo.
bjosss querido amigo

Juliana Ascenso disse...

Oi Amigo! Suas poesias me confortaram hoje. Adorei! Vc tem um dom maravilhoso. bjs.

Mary disse...

Nossa Jorge vc tem um dom maravilhoso,na minha opinião vc deveria de mostrar p/as pessoas esse dom q vc tem, esse dom é previlégio de poucos mortais.
Pense bem....
Serei sua 1º leitora,são tds de extremo bom gosto...
Desejo a vc e sua familia uma ótima semana,e continue sendo esse amigo q vc é p/tds....
Beijus querido.....

Claudia Neves disse...

Meu Amor!
Comentar essas últimas poesias de agora é mais que uma obrigação, mas ao mesmo tempo é dificil pra caramba... eu fico corujando e meus olhos enchem d'água toda vez que as leio...
Elas são lindas e maravilhosas! Me tocam muito fundo, afinal...
Também "me arrasto em correntes,
Da dor de não te poder beijar!"
Mas na hora que posso me esbaldo!
Te amo e muito obrigada pelo presente!
Esposa

Anônimo disse...

saudades de suas poesias
tempo se passou
as feridas se curam
a vida muda
mortes, nascimentos
momentos,
e aqui estamos na dança da vida
tocam as castanholas na musica dos sentimentos..
Já me dizia um amiga....o processo da lagarta é dolorido. Mas se não passar por ele, não haverá como chegar na borboleta"...
dark side

Anônimo disse...

Linda. Esta poesia toca no fundo da alma.

Carla disse...

Ah Jorginho...vc demora a postar, mas quando o faz é delicioso o q tras pra gente... adorei...
Acho q sempre tem uma epoca q nos arratamos em correntes e é triste querer e nao poder e vc expressou isso de uma forma linda....adorei

Beijo enormeee

Carla

Mara P. disse...

Esse poema é extamente o sinto. "Me arrasto em correntes". Parabéns por esse e outros poemas.

Sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sara disse...

"Realmente me Arrasto em Correntes da Dor de Não Poder te Beijar"
O Que Dizer Sobre Sua Poesia? Nada Além de Linda e Inspiradora!!Quem Sabe Um Dia Eu Não Consigo Esse Dom de Por No Papel o Que Sito e Ficarem Tão Bonitas Quanto a Sua!!!rs
Está de Parabéns, Não Por Este Poema, Mas Por Todos, São Realmente Lindas!!!
BjOs

M. Cristina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcielle disse...

Meu Deus!! Amei esse poema também!!!
Queria poder mandá-lo para o meu amor... mas ja está perdido... não volta mais... =/